.

.

.

.

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Depoimento de crianças em processos

Quem não se lembra do Caso Isabella? A menininha de 5 anos que foi jogada do 6º andar do prédio que morava. O pai afirma que levou Isabella para o apartamento e depois voltou para a garagem para pegar os outros dois filhos e a mulher. Quando retornou ao apartamento percebeu que a tela de proteção estava rasgada e viu a menina caída no jardim. Os únicos suspeitos são seu pai e sua madrasta, os mesmos alegam inocência.

Foi aberta a hipótese de que o irmãozinho de Isabella que tem 4 anos de idade e presenciou tudo de perto, dê seu depoimento. Mas, o promotor do caso, afasta a idéia de chamá-lo para depor. Para ele, o trauma que esta criança passou ao acompanhar o assassinato da irmã já foi grande o bastante.

Psicólogos e assistentes sociais dizem que só é aceitável recolher o depoimento de uma criança em último caso. Eles dizem que o tema deve ser abordado com muita cautela, que depoimento de crianças podem causar mais danos do que ajudar o curso do processo e que, se a opção for chamar a criança para depor, a idade deve ser acima de 7 anos. Muitos dizem que nesse tipo de depoimento provavelmente a criança não estará dizendo a verdade. Também há quem diz que se a criança depor e seus pais forem presos ela se sentirá culpada, e como será a cabeça dessa criança no futuro?

Também dizem que essa prática não é eficiente porque a criança sofre muita pressão durante todo o processo, sem contar que o risco de confusão entre realidade e fantasia é muito grande.

Mas nem todos são contra. O advogado Ângelo Carbone é defensor desse método. Ele é contra as opiniões que prevêem traumas futuros ou possibilidade de contestação do depoimento e diz: "Se incriminar os pais, a criança só terá dito a verdade e ajudado a punir os assassinos de sua irmã. O depoimento do menino, juntado a todas as outras provas, com certeza seria a peça chave para fechar esse quebra-cabeça".

A psicóloga e professora da USP (Universidade de São Paulo) Leila Cury, afirma que a presença de uma psicóloga experiente na área, preferencialmente em um ambiente tranqüilo, que transmita segurança, e uma técnica que utiliza brinquedos e jogos são pré-requisitos para o início de um processo que pode ser longo. “Forçar a criança a dizer qualquer coisa diante de um juiz pode assustá-la”.

Tem um outro caso que está passando na televisão, que é do menino Lucas de 6 anos de idade. Se foi a última hipótese ou não, eu não sei, mas colheram o depoimento do menino Lucas. Ele caiu junto com a mãe do terceiro andar de um prédio. Ele mostrou à Polícia o que aconteceu dentro do apartamento, antes da queda.

Através de desenhos, o menino contou para Polícia o que viu antes de ele e sua mãe caírem do 3º andar do apartamento onde moravam.

No vídeo abaixo mostra os desenhos dele:


Bom.
Uma coisa é opinião de leigos, outra coisa é opinião de especialistas. A gente pode achar que nada disso traumatiza mas, nós seres humanos somos muito mais complexos do que pensamos. Cada um é cada um. Tem gente que se traumatiza, tem gente que supera. Se só o que a gente acha ou deixa de achar resolvesse os traumas emocionais das pessoas seria bom né! Mas não é bem assim que acontece.


Gente! Eu acho (Quem acha não sabe. Quem acha não tem certeza) mas eu acho que se uma criança que presta depoimento à polícia fica traumatizada, para mim, ela fica muito mais traumatizada por ter presenciado o crime e nem tanto por ter prestado depoimento. Se ela ficou traumatizada, foi muito mais por culpa do crime que ela presenciou ou sofreu do que por culpa do depoimento que ela prestou. Mas, pode ser que as duas situações sejam traumatizantes então, se a criança já está abalada por causa do crime, vamos poupa-la de mais stress e possíveis traumas né!


Esse assunto divide opiniões. Eu não sei se é um procedimento correto ou errado mas, se decidirem por colher o depoimento de crianças, eu também acho que deve ser só em último caso.


Você é contra ou a favor de depoimento de crianças em processos?

BeijinhosImage Hosted by ImageShack.us

73 comentários:

' Sofih! disse...

Deve ser realizado se for algo escencial para a resolução de algum problema. Mas deve ser feito com cuidado, de forma mais dinâmica para não apavorar a criança,pois ela pode entrar em pânico, eu acho. Nunca com muita pressão, porque ela pode se sentir ameaçada e acavar dizendo besteiras. Deve ser feito com bastante cuidado mesmo, senão nunca dará certo, mesmo!

Bjsssssss

Anderson Emídio disse...

Olá Juliana.
Realmente é um assunto que divide opiniões.
Eu particularmente concordo com a DrªLeila Cury,desde que a criança não seja esposta ao juri ela pode sim contribuir com a punição dos culpados desde que seu depoimento seja colhido em um ambiente confortável e propício a sua idade.
Em muitos casos como os que mencionastes,elas são a única testemunha ocular e já foram traumatizadas pelo ato criminoso.
O Estado por sua vez deve fazer o acompanhamento psicológico da criança até sua pronta recuperação do trauma.
Por todos estes fatores sou a favor.

Beijos

αиα.·* disse...

Acreditoo ki é melhor poupar a criança de tantas situações ki deixarão 'lembranças desagradáveis'

Presenciar um crime já é algoo terrível, faze-lá/forçar-lhe falar sobre seria pesado demais.

Porém, cmo toda regra tem sua excessão, em último caso, pode-se trabalhar a hipótese, tomando o devido cuidado de preservar a criança.


beêjú
ana.-*

amuuh.blogspot.com

Gerly disse...

Ju, eita q assunto difícil, viu?
Eu não sei o que "acho". Acho q só o fato de traumatizar uma criança com violência de qualquer tipo já é passivo de punição. Sendo contra ela ou não. Poucos são os que respeitam a infância hoje em dia. Na presença de crianças se cometem as maiores atrocidades. Em que mundo vivemos?? Por isso eu, sinceramente não sei responder sua pergunta. Mas desejo que Deus guarde e proteja nossas crianças de coisas como essas.

Qto ao assunto lá no blog, o que vc disse é mesmo verdade, viu? A quantidade de gente "perdida", que não sabe quem é, por que existe, e transforma sua crise em poesia é fato. E é tão comum quanto gente que se acha auto-suficiente, que não precisa da condução e da graça divina. É impressionante!

Beijokas pra vc!

:o)

Gerly disse...

Ju, eita q assunto difícil, viu?
Eu não sei o que "acho". Acho q só o fato de traumatizar uma criança com violência de qualquer tipo já é passivo de punição. Sendo contra ela ou não. Poucos são os que respeitam a infância hoje em dia. Na presença de crianças se cometem as maiores atrocidades. Em que mundo vivemos?? Por isso eu, sinceramente não sei responder sua pergunta. Mas desejo que Deus guarde e proteja nossas crianças de coisas como essas.

Qto ao assunto lá no blog, o que vc disse é mesmo verdade, viu? A quantidade de gente "perdida", que não sabe quem é, por que existe, e transforma sua crise em poesia é fato. E é tão comum quanto gente que se acha auto-suficiente, que não precisa da condução e da graça divina. É impressionante!

Beijokas pra vc!

:o)

Vera disse...

Olha Jú...eu penso como você. Tenho a impressão de que maior trauma do que o crime presenciado tlavez não exista mas, realmente não dá prá ter certeza de nada. Só acho que tem que ser em última instância mesmo! E esse depoimento deveria só ser colhido por pessoas muito especializadas em crianças, que pudessem diminuir ao máximo o dano causado pelo depoimento em questão.
Bjks!! Bom começo de semana!!

Cassius Vallim... disse...

Eu acho que, como você comentou, se for com uma psicóloga experiente, num ambiente tranquilo, com brincadeiras e tal... acho que poderia retirar as informações sem que a criança percebesse... mas numa boa, sem forçar a barra.

O video do Lucas não abriu aqui em casa :-(

Mais uma vez o blog polemica, trazendo polemica rs...

Um ótimo final de semana...

Eliane disse...

Acho que as crianças nessa idade não tem o senso pra responder ou falar sobre os assuntos mais maduros.Fora o lado fantasioso,lúdico que ela irá levar o caso.Perante ao ECA,a criança só estará apto a falar de assuntos mais maduros na pré-adolescência,onde ela estará no início da abstração,poissai no período concreto.Parabéns pela postagem.
Dá uma passadinha no meu blog,viu?Sua presença é muitoimportante
bju

pandora disse...

Pessoalmente, acho que a criança deve depôr, quando a sua versão se torne necessária para a resolução de casos como estes. Claro que, como foi dito aqui, de forma cuidada, acompanhada, sem necessidade de expô-la mais do que o necessário. Quanto aos traumas, e sendo cada caso um caso, não só nas crianças como em todos nós, o que será mais traumático? Sentir que ajudou a condenar um familiar ou viver sabendo que essa mesma pessoa cometeu um crime e não foi castigada por isso? Essa cena da idade certa que separa as crianças dos adultos é muito discutível, mesmo aqui em Portugal, quando os jovens roubam, matam ou violam e depois passam impunes perante a justiça devido a serem menores. Eles sentem, pensam e na maior parte dos casos sabem o que estão fazendo, distinguem o bem do mal, o certo do errado.

Cíntia Mara disse...

Eu sou a favor do depoimento de crianças, mas claro, com métodos específicos pra isso. Não dá pra levar uma criança num tribunal e deixá-la na frente do juiz, mas os psicólogos podem ajudar nessa hora.

O problema é que a justiça brasileira não se mostra preparada nem com relação aos adultos, quanto mais quando se trata de crianças!

Jhon Bert disse...

Eu acho também que o depoimento de uma criança só deve ser utilizado em ÚLTIMO CASO. Se o trauma de presenciar o crime já foi grande, ficar recordando-se desse trauma pode piorar a situação da criança. Mas se mesmo com todas as investigações sobre o caso forem frustradas, deve-se sim recorrer as tristes memórias da traumatizada criança.
xD
abraços

vê, please: http://bertonie.blogspot.com/

lubyecharges/ disse...

Oi, tudo joia?
Bom.. penso que usar o depoimento das crianças em processos seja correto dependendo da situação que a criança se encontra.
Cada caso tem que ser avaliado, estudo.
xD

Parabéns novamente pelo o seu blog.
Adoooro aqui :)

bjos.

Mary disse...

gostei muito do post amiga, é uma questão muito complicada mesmo.. como vc disse, quem acha ñ tem certeza, assim na minha opinião uma criança até pode ser ouvida num processo, mas isso mais em último caso.. sou contra assassinos, estupradores e pedófilos ficarem soltos..

tb penso como vc, que o q traumatiza mais é presenciar ou sofrer um crime e ñ o depoimento em sí, mas se for possível preservar o menor, melhor, se não, ele tem q ser ouvido de forma a ñ assustá-lo e traumatizá-lo mais ainda..

bjoks mil e ótimo domingo..

**Aline** disse...

Eu acho que deve ser feito de uma fora que não a traumatize muito, mas o fato traumatizou sim muito mais que o depoimento.
Tenha um ótimo fds! =^-^=
Ki$$e$ ;**
www.heart-kawaii.com/kittyline

Monique Lôbo disse...

Eu não sou contra, mas acho que só deve ser feito em ultimo caso.Concordo que o crime em si traumatiza muito mais do que qualquer depoimento,mas acho que a pressão que uma criança pode sofrer pode piorar esse trauma.
É uma situação bem dificil.

Bjãoo

Mari disse...

Então, acho que formamos uma boa dupla. Emoção e razão.
Bjão.

Hebertt disse...

bem eu sou completamente contra alem da criança ja sofre o trauma de passar por essa situação uma vez ainda te que ficar repetindo ela e deve ser muito traumatizante mesmo ,eu acredito!

Deisy disse...

o depoimento das crianças ajuda sim a esclarecer os fatos... mas deve ser muito traumatico para elas, imagina só o menino já viu sua mãe morrer e tudo o mais e ainda vai ter que falar sobre isso.. é complicadoo, deve mexer demais com a cabeça dessas crianças... é muito complicado tudo isso...

Josi Paz. Sagitário. Com Touro. disse...

Fiquei pensando muito... Acho que, assim como a participação das crianças, só quando é mesmo necessário qualquer constrangimento emocional para tocar um processo ele deve ocorrer... Barulho por nada, nops.

Meus Detalhes disse...

Oi querida em primeiro lugar, muito obrigada pela sua visita e por suas palavras em meu blog, amei :)....

Acompanho o seu blog a um tempinho, começarei a postar mais comentários, me falta tempo , sabe como é a faculdade rouba nossas horas.

Presenciei de perto o caso dos Nardoni, já que eram clientes da minha família.... são coisas que ficam marcadas, modificam a mente do ser humano, por menor que possa ser a mudança, ainda sim é sigficativa para o seu desenvolvimento posterior.


Beijos e Fique Com DEUS!

Sam disse...

Olhaa, depende bastante da criança que irá dar este depoimento. Mas acredito que situações desgastantes assim deveriam ser poupadas, afinal este cvaso já tem várias provas. Para mi, depoimento de criança só se não tiverem nenhuma outra prova ou testemunha.

Beijos

caurosa disse...

Olá querida Juliana, a questão é realmente polêmica, as crianças sempre são as vítimas dos descaminhos na vida dos adultos, normalmente, os pais. Na minha humilde opinião elas devem ser preservadas pois já sofrem tanto. Obrigado pela freqüente visita ao meu pequeno espaço, estarei te linkando para melhor contato. Muita paz, harmonia e inspiração para você.

Forte abraço

caurosa.wordpress.com

Êidina Queiroz disse...

Minha opiniao é que, estando a criança traumatizada, abalada com os acontecimentos (como deve ser no caso das duas crianças filhas dos Nardonis que viram, presenciaram a tortura, a briga, os xingamentos e o final trágico da pequena Isabella) o normal é os dois estarem e/ou ficarem confusos, podem misturar cenas do crime, com o cotidiano antes do crime, com a fantasia normal de crianças, enfim, eu nao confiaria num depoimento de crianças tao pequenas como os dois meninos. No caso de crianças maiores, aí sim, seria mais seguro.
Visitem meu blog http://eidinaquiroz.blogspot.com

HSLO disse...

Oi amiga,,....muito show esse post...viu.
Gostei demais do seu comentário em meu blog....obrigado.

Beijão

Tony Madureira disse...

Olá,

Em minha opinião só se deveria ouvir o depoimento da criança se depender disso a descoberta da verdade.
Nesse caso sim, até porque mais tarde seria perturbador para a criança saber que não tinha sido feita justiça, se fosse o caso…

Se for possível obter a verdade, ou saber o que se passou sem ter que pôr a criança a depor seria o ideal para bem de todos. Em primeiro lugar para a criança e seu desenvolvimento, depois para os pais e para a sociedade.
Mas isto é a minha opinião, que vale o que vale…


Beijinhos

tf. disse...

ah eu sou contra, devido ao trauma que essa criança passou, ao acompanhar a morte da irmã, mas como vc disse, uma coisa é opinião de leigos, outra coisa é opinião de especialistas.
bJos ;*

' Ciih ϟ disse...

Eu sou a favir desde o momento em que isso não atrapalhe no desenvolvimento psicológico da criança :)

Maria Lucia disse...

...Acho que tudo o que é falar sobre esse caso seria muito ambiguo, pois não tenho ferramentas suficientes para avaliar a saúde psíquica dessa criança.
Mesmo sabendo da importância do depoimento dela considero uma situação muito delicada sob os aspectos psicológicos e jurídicos também.
Sem material para avaliar o estado psicológico dessa criança, portanto não posso ter a certeza do quão verdadeiro será o seu depoimento, mediante a pressão jurídica que acerca o caso.
Então amiga sua pergunta é a favor ou contra? Depende! das circunstâncias e do estado da criança...bjs

Camila Paranhos disse...

é verdade... mulher com mais de 30 são as melhores... rs
bjocas.

Camila Paranhos disse...

foi o coment?

Rafa Gizzi disse...

Na minha opinião, maior que o trauma de contar os fatos, é vivê-los. Acredito que deve sim ser feito um trabalho com essa criança para que ela revele como foi. Mas para isso, uma boa equipe de psicólogos que façam a criança se sentir segura e não se sinta pressionada a dizer o que viveu, ou viu, enfim... E, ainda na minha opinião, deve ser um processo longo e trabalhoso da equipe junto da criança...
Não acredito que seja um trauma para ela depor. Até pq ela naum vai sentar numa cadeira, frente à frente a um juiz ou delegado e começar a falar. E outra, sem motivos, a criança não vai incriminar ng. Pq ela inventaria, no caso, que o pai estava com uma faca na mão? Enfim...

Paula disse...

OIe,
E muito complicado isso ne?Mas eu penso no que os especialistas dizem, nao é um "depoimentpo" formal, mas algo que brincando a cç acaba dizendo a verdade...e pasmem, a sinceridade a cç as vezes é dolorida....
O que nao dá, é como vc disse, a cç carregar isso pro resto da vida, e sabe deus que vai virar isso quando adulta!!!
Alias, as calamidades acontecem e a gente nao ve o desenrolar delas ne?

Bjao
boa semana

Raquel El-Bachá disse...

Eu sou a favor, ainda mais se essa é única forma de se desvendar um crime. Se existem outras provas acho que não há necessidade.
No caso da Isabelle e desse menino que caiu junto com a mãe acho que o depoimento das crianças é a única prova segura, uma vez que as mesmas foram as únicas testemunhas do ocorrido.
Beijos.

mendogas disse...

Olá amiga:
Obrigada pela visita no meu cantinho.
Quanto ao teu post ai vai o que eu acho se bem que eu não sou nenhum expert na matéria mas.
A criança tem de ser sempre salvaguardada!!!
Mas a criança fica traumatizada de qualquer forma!
Por vezes quando bem feitas as coisas talves seja melhor a criança desabafar com alguem.
Temos muitos e bons psicólogos e pseudo-psicologos que eu acredito capazes de muita boa ajuda nestes casos.


beijo João

Iêda disse...

Juliana,
Vim agradeçer e retribuir sua visita.
um grande beijo e voltarei aqui outras vezes. gostei muito do seu blog.
posso colocar o seu banner no meu blog?
Fica com Deus.

♥тєcα♥ disse...

Eu sou totalmente contra o depoimento de crianças,por que pra começo de conversa criança não sabe de nada, tem cerebro subdesenvolvido,tem delas que não sabe nem o que está comendo,se você pergunta alguma coisa afirmando ela vai confirmar;agora dentro de uma discusão vai saber quem tem mais culpa em alguma coisa?Ou definir algo com clareza, acho que não portanto eu sou contra.

Beijão Ju!

Lih ;] disse...

Oi!
Estou sumida, mas já voltei!
Eu não gosto muito da idéia de por as crianças para depor, mas se for em último caso, sim. Eu acho que poderiam conseguir mais resultados se não fossem feitas perguntas,e sim uma narração do caso pela criança, sem forçar. Deve realmente ser muito traumatizante, e a criança possivelmente não vai querer colocar a culpa nos pais.
Bjão

http://pessoasloucasdavida.blogspot.com

Lih ;] disse...

Oi!
Estou sumida, mas já voltei!
Eu não gosto muito da idéia de por as crianças para depor, mas se for em último caso, sim. Eu acho que poderiam conseguir mais resultados se não fossem feitas perguntas,e sim uma narração do caso pela criança, sem forçar. Deve realmente ser muito traumatizante, e a criança possivelmente não vai querer colocar a culpa nos pais.
Bjão

http://pessoasloucasdavida.blogspot.com

Cadinho RoCo disse...

Evidente que se não houver uma necessidade forte, não há razão para expor uma criança a esta situação. Mas, penso que tudo vai do jeito. Se houver carinho e percepção suficiente, o depoimento de uma criança poderá passar sem deixar traumas. Acredito nisso, acredito no carinho.
Cadinho RoCo

Karkr Napon disse...

Olá Juliana!
Obrigado por seu comentário, amei ;)
Interessante seu post, concordo com o que você disse "uma criança que presta depoimento à polícia fica traumatizada (...) por ter presenciado o crime e nem tanto por ter prestado depoimento". Acho muito válido o depoimento de crianças em crimes, muitas vezes elas podem identificar o assassino ou dar pistas importantes. Mas também acho que esse tipo desse procedimento deve ser usado em último caso, para não traumatizar e amedrontar ainda mais a crianças.
BJonas e Deus te abençoe
xD

Simples assim... disse...

Um bilhão de vezes concordo!!!!

Eu sou educadora e terapeuta, trabalho com crianças há 7 anos, não há duvidas no que vc disse: o que traumatiza é a criança ter presenciado o crime!
É obviu! Santa sociedade hipocrita e ridicula que vivemos!

Ótimo post, Ju!

Lilian Karla disse...

olá! Eu sou a favor... Tenho uma filha, de 03 anos, e embora ela fantasie mta coisa, consigo diferenciar qdo é algo real, baseando nisso acho q é válido o depoimento de uma criança, e acredito que hajam processos e técnicos para se obter o depoimento de maneira menos traumática do que o prórpio crime q foi presenciado.

Renata disse...

Acho muito delicado submeter a criança a esse tipo de situação. O acompanhamento psicológico ainda é a melhor opção (eu acho). Bjks

Luciana disse...

oiee tudo bem com vc? espero que sim...vim agradecer por suas visitas ao meu blog e dizer q sempre que me sobra um tempinho eu passo por aqui tb...

e respondendo a sua pergunta do post: Você é contra ou a favor de depoimento de crianças em processos?

eu sou a favor!

bjss

Julio disse...

Adorei seu blog, Juliana. E vc escreve muito bem, gostei mesmo!

Um beijão!

Júlio

Julyane disse...

Oi Ju
Passa no meu blog, indiquei um selo pra vc.

cuidandodemim disse...

Olá.
Vim retribuir a visita. Estive a ler alguns dos teus textos e achei o teu blog muito interessante.
Bjns

felicité! disse...

obrigada por ter comentado em meu blog.
o seu é MUITO bom mesmo, adorei!
Beijos querida

Joker disse...

Obrigado pela visita... =D

Sobre o assunto... eu acredito que um acompanhamento especializado é a maior saída. a informação e as campanhas é algo que deveria ter um espaço maior na mídia brasileira, certos fatos não recebem as devidas atenções... eles dão mais importância a notícia que a prevenção desses acontecimentos...

Bjus... =***

Joker disse...

Muito obrigado pela visita...

Agora sobre o assunto que você pautou ... eu acredito que uma ajuda especializada pode ser a saída. Outro ponto importante é que a mídia faça campanhas e trate o ocorrido, como no caso isabella, não só como uma notícia e sim como uma realidade e crueldade... onde eles ficavam mexendo na mesma tecla sem mesmo informar ou fazer algo que pudesse ajudar a população e ao estatuto da criança e do adolescente.

Bjus... see ya...

M a r i disse...

Penso que para cada uma sentença. Se a criança tiver todos os cuidados possíveis, deverá sim ser importantes ouvi-la, sem pressão, e com profissionais muito bem preparados, sempre visando o subjetivo da criança, e usar com cautela do que fazer e até onde podem ir com essa abordagem.

Muito importante esse análise. Gostei!

Beeeejs
;]

Ana B. disse...

Oi Juliana,
obrigada pelo comentário e pela visita. Gostei do teu blog, percebe-se que vc tem opinião e isso é uma qualidade mto apreciada por mim.
Abs,

Wayla disse...

Hum.. complicado, possivelemnte nossa atitude será polpar a criança, mas até onde sabemos ao certo quanto dano toda a cena e todo o processo ja não causou??? Os traumas se manifestão geralemnte na adolescencia e fase adulta, vai demorar até sabermos, isso é acho qeu niguem vai voltar lá depois pra ver como ficou a criança ... Correto ou não, vou pela mesma linha, espero que não vire rotina e seja exclusivamente em ultimo caso, quando realmente não houver mais nada.
beijao
Sou fã do seu blog..rsrs

O Profeta disse...

Este Mar que beija a Ilha
Traz de longe sonhos perdidos
Adormece na areia e deixa
Na espuma mil e um segredos

Meus sonhos são estrelas que semeio no espaço
São corpo nu que vagueia pela saudade
Brotam e correm para o Mar
Enfrentam a dor a tempestade


Boa semana


Mágico beijo

Joh. disse...

Se a criança é uma peça fundamental na resolução do caso acho válido tentar um depoimento! Afinal sendo criança ou não ela pode trazer a resposta.

Obrigada pelo comentario no blog, gostei muito do seu tbm, vou vir ler sempre agora =)

Violeta disse...

Como tudo na vida não existe apena sum lado. Espero que seja feito o melhor para a criança.

Iêda disse...

Olá!!
Eu sou a favor, mas acho que tem que ter acompanhamento psicológico antes de qualquer coisa para ver como é a criança, se ela suportaria falar sobre o que aconteceu.

Obrigada pela visita no Vida Bailarina.

Beijos

Felipe disse...

Oi Juliana, tudo bem?! Tem selo pra você lá no Conectou! beleza?! Depois pega lá...Programei a postagem, entra às 01:00 de 04/12...Passa lá depois...

abraços.

Luciane Fiuza disse...

Oi, Juliana. Obrigada pela visita. Volte sempre. A música é tudo o que vc falou, uma verdadeira lição de vida.

Muito bom o seu post e faz refletirmos. No caso dos irmão da Isabela, caso não se prove nada e que o fato do irmão dela não depor ajude a inocentar os pais, isso estaria colocando em risco a própria integridade da criança. Se fosse aceito e até obrigatório que a criança tivesse que depor em alguns casos, acho que, no minímo, deveria ser muito bem orientada por psicólogos excelentes. E a orientação deveria se dar antes, durante e depois (principalmente depois) do depoimento. Se isso, que é o mínimo não for respeitado, acho que o assunto nem deve entrar em pauta.

Abs!

Luciane.

William disse...

Olá Julian..vim retribuir sua visita; gostei do seu blog. Se algo causa polemica...tem se de fato levantá-la.
Crianças quando da necessidade de participar de processos - devem ser feito de forma que ela conte os fatos de forma espontanea - sem pressão. No mais sou como voce - eu acho - se acho - não se se é o correto.

Beijão e volte sempre. Eu voltarei.

Layz Costa disse...

Juli, nossa que sadade que eu tava disso aqui! ;)
Tava doentinha, mas já tá tudo bem.

Olha, eu sou a favor de colher o depoimento da criança desde que ela não seja muito exposta, que o depoimento seja oclhido num ambiente tranquilo, com um acompanhamento psicológico.
beeijo
=*

Luiz Fernando disse...

Oi Juliana!!
Estou passando para retribuir sua visita no meu blog, sou iniciante... Sou evangélico e gosto de escrever mensagens na net, a mensagem que você leu eu recebi por e-mail e achei o conteúdo uma verdadeira lição em termos espirituais e morais para refletirmos sobre como estamos construindo nossa sociedade e visando o lado espiritual como estamos nos construindo diante de Deus, o Soberano.
Gostei muito do seu blog, Parabéns!! Você tem habilidade com língua portuguesa.
Deus a abençoe!
(PS: Estou assinando com meu outro blog pra que vc possa conhecer)

Felipe disse...

Ae Julaina! Coloquei o selo, mas esqueci das regras...Agora tá lá, quando puder dá uma olhadinha...Valeu.

Felipe disse...

Ae Julaina! Coloquei o selo, mas esqueci das regras...Agora tá lá, quando puder dá uma olhadinha...Valeu.

Nádia disse...

Primeiro, obrigada por ter visitado meu blog liinda, adorei seu comentário. :) Esse assunto é muito complexo, acredito que vai da mente da criança, existem crianças que passam fome, sofrem, veêm os pais morrer etc e ninguém se preocupa em ouvi-las; No caso de um depoimento para uma maioria de pessoas que ela nunca tinha visto antes, iria ser constrangedor, óbviamente a criança vai querer defender os pais - até mentir se preciso. Acredito que todos os casos envolvendo crianças são um choque sempre, existem distintas opiniões. Hoje em dia tragédias com crianças, generalizando, está cada vez mais 'comum', e é uma pena.

Rebeca Romcy disse...

Ju,
Adorei teu comentário...sempre que lembro desse caso me dá uma dor no coraçao, como pode o proprio pai fazer uma coisas dessas com a filha...
Obrigada pela visitinha, adorei!
Tenha uma maravilhosa semana, Beijos!
Rebeca Romcy

Aldaneire disse...

Oi Juliana! Vi seu recadinho lá no meu blog e vim te visitar, e olha: vou voltar muito mais vezes viu? Adorei!
Um grande beijo e até mais!

→ Thiago. disse...

http://colunadothiago.blogspot.com/

entra!
um beijo!

Marcos disse...

Olá, Juliana!
Realmente é uma questão muito polêmica,falo como um leigo no assunto, mas tenho em mente o seguinte:será que ao crescer essa criança não ficará mais traumatizada ao lembrar que poderia ter levado um assassino à prisão? O que não se deve fazer é a expor à mídia, polícia, tribunal; mas a pessoas competentes que acompanharão todo o seu crescimento.

Abraços,

BLOG DA BIA disse...

Esse blog é muito legal porque fala sobre varios assuntos importantes,otimo blog
comenta no meu o endereço é www.obloguinhodaamizade.com

Lígia Vanderlei disse...

Obrigada por seu comentário em meu blog...volte sempre... bjs

sandrodurok@gmail.com disse...

Ei Juliana,
bem polêmica essa mesmo. Passando por aqui vou deixar também minha opinião de leigo:
concordo que o depoimento do garoto(s,a,as), deva se dar em último caso. Caso apenas o depoimento dele(s,a,as) possa convencer um juri ou juiz então a criança deva ser sacrificada.
depois de tudo, com depoimento ou sem depoimento penso que o Estado deva agir no sentido de tentar garantir a recuperação do trauma sofrido. O Estado deve tomar para si a responsabilidade de arcar com a total recuperação desta criança. Comprovadamente, sádicos, pscicopatas, pedófilos,etc, custumam possuir um histórico "infância traumática"...

Amor Sem Limite disse...

Bem esse tema é muito delicado e com várias opiniões diferentes, mas na minha opinião em casos como esse é fundamental o depoimento de uma criança, ela pode ficar traumatizada mais o ser humano é forte e tem o poder de superar seus traumas. Parabéns,esse tema é o melhor que você já publicou.