.

.

.

.

sexta-feira, 27 de junho de 2008

6 - Álcoolismo

A grande maioria das pessoas pouco sabe ou nada sabe sobre alcoolismo. Um alcoólico ou alcoólatra não é uma pessoa viciada em bebida. O alcoolismo é muito mais complexo que isso. Tanto quem usa drógas quanto quem usa álcool são considerados dependentes químicos, não há distinção entre ambos.
Viciado, qualquer um é. Quem bebe toda bendita sexta-feira, ou melhor, quem não consegue ficar uma semana inteira sem beber, ou quem sempre bebe cerveja nos finais de semana, nas festas e acha que churrasco legal tem que ter cerveja, para mim, é um viciado em bebida e está há um paço do alcoolismo.
Em primeiro lugar, o alcoolismo é uma doença.
É uma doença que não discrimina ninguém, ela atinge a qualquer pessoa de qualquer raça, tipo físico, religião, status, escolaridade, condição financeira e por aí vai.
Uma doença em que todos os seus portadores têm os mesmos sintomas, as mesmas dores, as mesmas atitudes, enfim, todo alcoólico tem os mesmos sofrimentos enquanto estão na ativa.
Todas as pessoas contaminadas com o vírus da dengue têm os mesmos sintomas e os mesmos riscos, todas as pessoas resfriadas sentem os mesmos incômodos, isso ocorre por um motivo muito simples: - A doença é a mesma.
O resfriado é igual para todos, a dengue é igual para todos, a gripe é igual para todos, etc.
Dessa mesma forma é a doença do alcoolismo. Todos os alcoólicos ou dependentes de drógas passam pelas mesmas coisas, afinal, a doença é a mesma.
Quando pegamos um resfriado não espirramos porque queremos, espirramos porque a doença nos leva ao ato de espirrar.
No alcoolismo é igual. Nenhum alcoólico bebe, passa vergonha, fica caído nas ruas e perde noções de higiene porque quer ou porque gosta mas, sim por ser portador de uma doença que o leva a tais atos.
Se o desejo exagerado por bebida fosse de acordo com o jeito de ser ou com os ideais de cada um, os adíquitos seriam diferentes. Mas, isso não acontece pois, como em todas as doenças, seus sintomas são iguais para todos.
Um indivíduo que sofre de bronquite começa à tossir, tossir, tossir e não consegue se controlar. No alcoolismo é igual, o indivíduo bebe, bebe, bebe e não consegue se controlar.
Essa doença é Emocional, seus sintomas e conseqüências são Físicos e sua cura é Espiritual.

De acordo com a idéia de AA

Por que a doença é emocional? Ao contrário do que se pensa, o alcoólico não perde o controle sobre a bebida, ele perde o controle de suas emoções, tornando-se então, um desiquilibrado emocional. Ele não é dependente de álcool, ele é dependente de suas próprias emoções.
Ao tomar o primeiro "pórre" qualquer um de nós estará sujeito à gostar das sensações e efeitos que a bebida nos proporcionar. E podemos gostar tanto, à ponto de usá-la como um anti-stress, um relaxante, um animador de festas, um "estimulante da alegria". Por causa disso, começaremos à beber por fuga. Tudo será motivo para beber. Broncas do chefe, demissão, brigas em família, perdas, batida de carro, derrota do time de futebol, separação enfim, tudo o que abalar nosso estado emocional ou nosso sistema nervoso, nos dará uma necessidade de fugir e é na bebida onde nos refugiaremos pois, a usamos como consolo, anti-stress, relaxante, animador, estimulante, entre outros. Este é o chamado "bebedor problema".
Por que os sintomas e conseqüências são Físicos? Depois de um certo tempo o corpo se acostuma com o álcool e pede álcool. Enquanto o indivíduo não mandar bebida para o corpo, ficará trêmulo, ansioso, inquieto, sentirá mal estar pois, seu corpo está "implorando" por álcool. É desencadeada então, uma compulsividade por bebida. Ele não bebe mais por fuga mas, bebe porque seu corpo pede, tornando-se então um "bebedor compulsivo".
As conseqüências do álcool também são físicas pois, por causa das substâncias químicas contidas nele e em quaisquer outras drógas, são gerados vários problemas de saúde gravíssimos e incuráveis, paralisia, loucura ou morte.
O alcoólico não consegue controlar as emoções mas, a compulsividade por bebida (por ser um problema físico) ele até consegue controlar. Pressionado pelos familiares e amigos dizendo que ele precisa parar de beber, ele resolve parar. Com muita força de vontade, controla sua tremedeira, fica longe de bares e depois de alguns dias a compulsividade passa, o mal estar passa e a ansiedade passa. Então, ele resolve retomar sua vida, acontece que, ele tratou o problema físico, e como eu disse, alcoolismo é uma doença emocional. Assim que surgir o primeiro stress, a primeira discussão, a primeira perda, o primeiro problema o alcoólico não conseguirá "segurar a barra", e buscará refúgio nos copos novamente, redesencadeando imediatamente a compulsividade por bebida. E voltará a beber diáriamente e sem intervalos.
Isso tudo acontece porque o emocional da pessoa, a sua alma, ainda está doente, ele tratou apenas a vontade física de beber e não tratou da alma.
O grande desafio do alcoólico não é parar de beber, se ele quiser parar ele pára. O grande desafio é controlar seu interior e assim manter a sobriedade. Ele tem que aprender a apanhar e permanecer sóbrio. Um dependente químico não mantém a sobriedade parando de beber, mas sim, mudando de vida.
Por que a cura é Espiritual? O alcoolismo não tem cura mas, ele tem remédio e o remédio é um poder superior. Para mim que sou cristã, a cura é Deus. O alcoólico que chega na clínica para se tratar do alcoolismo, está com seu emocional totalmente abalado, judiado, com seu interior doente, se sentindo um trapo. Ali ele começa à fazer uma série de terapias com psicólogos para tratar seus defeitos de caráter (defeitos de caráter não é uma exclusividade de alcoólicos, todo ser humano tem, independente de ser ou não alcoólico). Um psicólogo nada mais é do que um conselheiro, que nos ajuda a ver as coisas de um jeito melhor. E no caso de alcoolismo, não tem conselho, não tem palavra de consolo, não tem palavra de motivação que o dê forças para conseguir pôr em prática tudo o que os terapêutas aconselharam. Mesmo que os terapêutas digam "faça isso, faça aquilo, pense assim" o interior de um dependente químico está tão machucado, que ele acha que não vai conseguir.
Mesmo que os médicos digam:
- Você vai conseguir.
Ele diz:
- Não vou conseguir.
Mas, ele consegue. Quem disse que o alcoólico tem que conseguir sozinho? Uma força superior o ajuda a acatar e a praticar tudo o que os médicos indicaram. Este poder superior, para mim, só pode ser Deus, eu creio que não há outro poder que não seja o Dele.
Essa doença faz três coisas:
1 § Denigre a imagem das pessoas:
As mulheres ficam conhecidas como "mães desnaturadas", entre outros nomes.
Em geral, os homens alcoólicos são taxados de "vagabundos" que não gostam de trabalhar e maltratam suas esposas e também são motivo de gozação entre os amigos. Mas, existem ainda mais "imagens ruins" que um alcoólico em atividade adquire. Além disso, estéticamente os alcoólicos não são tão agradáveis aos olhos dos outros.
2 § Acaba com a saúde das pessoas:
Como já citei anteriormente, o uso de álcool causa vários problemas de saúde e dos mais variados possíveis como, diabetes, pedra nos rins, pedra na visícola, pedra em tudo o quanto é lugar, câncer, pneumonia, desidratação, intoxicação, aminésia, loucura e mais tantas outras doenças, sem contar que a bebida mata.
3 § E o principal - ela afasta as pessoas de Deus:
Por isso, todos que fazem tratamento de alcoolismo, apegam-se a Deus, ou pelo menos a grande maioria. De acordo com a crença de cada um, Deus os ajuda a evitar o primeiro gole, em um dia de cada vez, à paços de tartaruga. Não beber pelo resto da vida é muito tempo para um alcoólico, por isso, só por hoje ele não bebe. E nesse pensamento, muitos já estão há anos e anos sem ingerir um só gole e não sentem vontade. Lutando em um dia de cada vez. A luta contra o alcoolismo é diária.
Os dependentes também precisam aprender que eles não são as grandes vítimas do mundo. Tudo o que acontece em suas vidas, foram eles mesmos quem procuraram. Ninguém foi amarrado e forçado à beber ou cheirar. Cabe à eles o famoso ditado: Quem procura acha. Eles quem procuraram essa vida. E encontraram.
Ter uma doença incurável não é nenhuma coisa de outro mundo. Eu mesma, tenho urticária, é uma alergia à certos alimentos e remédios e não tem cura. Convivo muito bem com essa alergia. Muita gente tem outros tipos de alergia e convive eternamente com ela. Todo mundo tem o vírus da gripe, basta descuidar-nos que esse vírus se manisfesta e ficamos gripados, é assim durante a vida toda, o vírus da gripe está sempre em nós. Isso mostra que ter uma doença incurável é muito mais comum do que imaginamos, não há motivo para espanto.
E aqui vai um recado para certos religiosos que dizem que os alcoólicos são pessoas endemôniadas:
Não acredito que seja pecado ficar doente. Acredito que eu não sou niguém para querer exigir que Deus faça o que eu quiser, pelo contrário, estou aqui para fazer a vontade Dele. Quem sou eu para colocá-lo na parede? Sim, Jesus levou nossas dores, nossos sofrimentos mas, não levou embora, ele levou consigo, isso quer dizer que ele sentiu nossas dores e sofrimentos. Se ele tivesse levado embora não ficaríamos doentes. Quem crê em Cristo não terá mais dores, lamentos e sofrimentos mas, creio que isso acontecerá no céu, aqui na terra sempre haverá percáussos mas, como bons cristãos, não devemos nos apegar à assuntos materiais e não dar importância aos problemas pois, um dia a nossa vida aqui na terra se findará, ou seja, todos os nossos problemas e nosso acumulo de fortuna são em vão, nada se leva daqui, isso me leva a crer que nossa vitória será no céu, não na terra.
Não, não estou pregando um Deus mesquinho, estou pregando um Deus que ajuda dia após dia um alcoólico a não tomar o primeiro gole e assim polpar sua saúde, sua imagem e conseqüêntemente aumentar seu tempo de vida. Isso é ser mesquinho? Estou pregando um Deus que permitiu a morte de seu único filho para que tenhamos vida para sempre. Estou pregando um Deus mesquinho? O que mais eu posso querer desse Deus? O fato de estarmos vivos já é uma grande benção, portanto, não tem porque pensarmos que Ele não nos abençôa. A graça Dele nos basta.
Não alcançará a sobriedade quem parar de beber ou quem parar de cheirar. Somente quem mudar de vida!



2 comentários:

Anônimo disse...

Realmente, agora vc me pegou de jeito com essa matéria...
Não direi aki meu nome, mas fiz um comentário em outro post, algo como auto-ajuda que seu blog tá me proporcionando ok? E por isso que comentei que precisamos conversar reservadamente por outro meio.
Descobriu quem sou?
Gostaria de um link seu em meu blog, posso?
Ele é maravilhoso e realmente polêmico... Vc é psicóloga ou algo assim?

Te aguardo. No outro comentário tem meu blog e meu mail, fique a vontade prá inclusive me criticar e dar puxões de orelhas...

Tenha uma maravilhosa semana.

Bjxxxs e obrigado

ps: Não tô conseguindo me acertar com as contas blogger e google kkkk
E se vc tem orkut, passa no meu, ele tá com link no blog tbem, gostaria de tê-la como amiga lá tbem.

Anônimo disse...

seria muito legal ter vc aki...então vc entra no link q esta no meu post..so clicar la..e tera uma enquete com a pergunta e as o~pção ai vc clica em mim e vota...so isso

e se vc quiser uma maozinha no giga so me dizer ta bom

meu msn é valmariapereira3004@hotmail.com

bjus ju

Valzinha!